já sentiu o desejo de chegar tarde ao trabalho, ou de sair mais cedo?

Já sentiu, pelo menos uma vez, o desejo de chegar tarde ao trabalho, ou de sair mais cedo?

Nesse caso, compreendeu que:

a) O tempo de trabalho conta a dobrar porque é tempo perdido duas vezes:

– Como tempo que seria mais agradável empregar no amor, no sonho, nos prazeres, nas paixões, como tempo do qual se disporia livremente.

– Como tempo de desgaste físico e nervoso.

b)  O tempo de trabalho absorve a maior parte da vida porque determina também o tempo dito, <<livre>>, o tempo de descanso, de deslocações, de refeições, de distrações. Atigne assim o conjunto da vida quotidiana de cada um, e tende a reduzi-la a uma sucessão de instantes e de lugares, que têm em comum a mesma repetição vazia, a mesma ausência crescente de vida verdadeira.

c) O tempo de trabalho forçado é uma mercadoria. Onde quer que haja mercadoria há trabalho forçado e quase todas as actividades se identificam, pouco a pouco, com o trabalho forçado: produzimos, consumimos, comemos, dormimos para um patrão, para um chefe, para o Estado, para o sistema de mercadoria generalizada.

d) Trabalhar mais é viver menos.

De facto, você luta já, conscientemente ou não, por uma  sociedade que assegura, a cada um, o direito de dispor ele próprio do tempo e do espaço: de construir cada dia a sua vida como deseja.

>>

Do livro: Da Greve Selvagem à Autogestão Generalizada

Share

Leave a comment

Your email address will not be published.

Please translate into algarisms * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.